header-logo.png Instituto Kailua
A educação é a chave do desenvolvimento dos países nórdicos.
brasil, brazil, educacao, educação na noruega, educação no Brasil, melhor educação do mundo, norway,

A educação é a chave do desenvolvimento dos países nórdicos.

É ano de eleição. É ano de mudança e reflexão sobre tudo que estamos fazendo certo e errado. É o momento que escolhemos que direção gostaríamos que nosso país seguisse. Até porque, um político, nada mais é que um motorista de Uber. É ele quem dirige o país, mas quem diz para onde tem que ir somos nós. Mas por que ano após ano, continuamos escolhendo candidatos que não são capazes de arrumar a nossa casa como gostaríamos?

Sempre fui um entusiasta dos Nórdicos, em especial a Noruega. Como é possível um país menor que o nosso, com um clima muito mais severo que limita sua produção do agronegócios, consegue liderar índices invejáveis como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a terceira colocação entre os países que mais tratam homens e mulheres como iguais em análise recente produzida pelo Fórum Econômico Mundial, sexto país com a melhor reputação do mundo de acordo com o Reputation Institute, quinto país com o setor público mais honesto do planeta de acordo com a ONG Transparency International, 95% de energia renovável, o país com o melhor ambiente macroeconômico do mundo em um estudo sobre competitividade que avaliou ainda outros indicadores como saúde e educação e há cinco anos, mantém o primeiro lugar no ranking de países mais felizes do mundo?

E a Noruega não é a única, não. Em todos os rankings mencionados acima é normal encontrar seus vizinhos Nórdicos nas pontas também. Mas por que isso não acontece com a gente?

A resposta é muito simples: Educação. Seria a resposta para isso apenas o montante investido? Em 2017, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) liberou um estudo que mostra que o Brasil superou a Noruega e Dinamarca nos percentuais de investimento na educação. O problema, claramente, não é apenas o montante destinado a educação e sim a forma como ele é aplicado.

Em 2019, a Duna Press preparou um artigo incrível que fala como outros países do mundo tem feito parcerias com o governo norueguês para implementar técnicas norueguesas nas escolas primárias de seus países. Confira parte da matéria abaixo:

Em alguns casos, há uma cooperação entre o governo norueguês e o governo de um determinado local, que adota a educação em uma espécie de “plano-piloto” como foi o caso de Angola. Em 2008, a Angola, firmou uma parceria interessante para a educação, especificamente para a formação de professores na Província de Bié. Angola entendeu que formar professores a partir da educação norueguesa faria toda a diferença na vida das crianças angolanas. Em um trabalho inédito, o programa chamou à participação os homens, o que é incomum na cultura angolana – ter homens na educação infantil – e o que é comum na educação infantil norueguesa. Um bom trabalho baseado na educação para meninas (muito enfatizado pela Primeira-Ministra do Reino da Noruega Sra. Erna Solberg) foi um ponto alto no programa.

De uma maneira diferente, a Rússia também reconheceu a supremacia norueguesa na educação. No noroeste da Rússia uma escola passou a ser financiada pelo Reino da Noruega, é a Gymnasium No. 1 Murmansk, que fica em Murmansk, capital do Oblast de Murmansk, a 200 km ao norte do Círculo Polar Ártico. É um programa de parceria em que além do ensino local depois que os alunos terminam o ginásio eles podem ir para Tromsø, no norte da Noruega, continuar os estudos, normalmente nas áreas de Tecnologia da Informação e Empreendedorismo. E após isso, retornam para a Rússia para trabalhar nas empresas norueguesas que estão instaladas lá, em um programa em que tanto a Noruega quanto a Rússia são beneficiadas.

O Império do Japão também mantém uma parceria de longa data com o Reino da Noruega, uma parceria tão bem-sucedida que tem até nome “NORPAN”! O Projeto NORPAN é uma parceria para propósitos específicos de excelente educação e pesquisa em clima e dinâmica climática. A parceria internacional é firmada entre o Instituto Geofísico da Universidade de Bergen (Noruega) e quatro importantes instituições de ensino e pesquisa japonesas em Tóquio. O financiamento para Excelentes Educação e Pesquisa é co-administrado pelo Conselho de Pesquisa da Noruega INTPART e pelo Centro Norueguês de Cooperação Internacional em Educação. 

O sistema escolar norueguês pode ser dividido em três partes: Ensino Fundamental (Barneskole, obrigatório dos 6 aos 13 anos), o ensino secundário inferior (Ungdomsskole, obrigatório dos 13 aos 16 anos), e o ensino secundário (Videregående Skole, obrigatório dos 16 aos 19 anos).

Escolas primárias e secundárias são obrigatórias para todas as crianças dos 6 aos 16 anos. Antes de 1997, a obrigatoriedade da educação na Noruega começava com a idade de 7 anos. Os alunos quase sempre mudam de escola quando entram na escola secundário inferior e secundário superior, devido a maioria das escolas oferecem apenas um dos níveis.

Ensino fundamental (Barneskole)

No primeiro ano da escola primária, os alunos passam a maior parte de seu tempo jogando jogos educativos, aprendendo estruturas sociais, o alfabeto, subtração e habilidades básicas de inglês. Nos graus 2 a 7 (3-8 anos ou P3/4-S2/3), eles são apresentados a matemática, inglês, norueguês, ciência, religião (com foco não apenas no cristianismo, mas em todas as religiões, a sua finalidade e sua história), estética e ginástica, complementados por geografia, história e estudos sociais na quinta série. Não há notas oficiais neste nível, no entanto, o professor muitas vezes escreve um comentário – a análise e, por vezes, um grau não oficial sobre os testes. Os testes devem ser levados para casa e mostrado aos pais. Há também um teste introdutório para deixar o professor saber se o aluno está acima da média ou está precisando de alguma ajuda na escola.

Ensino secundário inferior (Ungdomsskole)

Quando os alunos entram na escola secundária inferior, eles começam a receber notas por seu trabalho. Suas notas determinam se eles são aceitos ou não no próximo nível escolar. A partir da oitava série (Yr 9 ou S3/4), os alunos podem escolher uma eletiva (valgfag). Temas típicos são oferecidos, além de idiomas como o alemão, francês e espanhol, bem como inglês adicional e estudos noruegueses. Antes da reforma educacional de agosto de 2006, os alunos poderiam escolher uma eletiva prática em vez das línguas.

Ensino secundário superior (Videregående skole)

O ensino secundário (semelhante ao ensino médio) é de 3 anos de estudo opcional, apesar de recentes mudanças para a sociedade (poucos empregos disponíveis para a faixa etária) e direito (governo exigido por lei de 1994, para oferecer ensino secundário, de uma forma ou de outra, todos entre as idades de 16 e 18 anos que envia o formulário de candidatura), tornou quase inevitável na prática.

O ensino secundário na Noruega é baseado principalmente em escolas públicas: Em 2007, 93% dos estudantes do ensino secundário frequentavam escolas públicas.

A educação norueguesa é conhecida pela elevada qualidade acadêmica, pelo ensino inovador e por uma estreita e informal relação entre os estudantes e os docentes.

Na Noruega existem muitas combinações de cadeiras interessantes a nível do ensino superior e uma ampla oferta de cursos lecionados em inglês para estudantes internacionais.

A maioria das instituições de ensino têm um ambiente estudantil ativo com atividades sociais desenvolvidas em paralelo com os estudos. Talvez a melhor experiência seja a oportunidade de usufruir da natureza norueguesa e de combinar os estudos com atividades ao ar livre no verão e no inverno.

Os estudantes internacionais relatam que gostam de estudar na Noruega por diversas razões, entre as quais: por ser uma sociedade pacífica e segura, por terem a possibilidade de usufruir da natureza norueguesa, pelo fato da Noruega ser uma sociedade moderna e tecnologicamente avançada e também porque os estudos na Noruega proporcionam boas oportunidades de carreira tanto na Noruega como em outros países.

Como se candidatar?

Pode vir para a Noruega como estudante de intercâmbio através de programas de intercâmbio e acordos institucionais estabelecidos; também pode vir como estudante regular para frequentar uma licenciatura ou um mestrado.

Leia mais sobre as vantagens de estudar na Noruega, encontrar locais de ensino e ofertas de estudo em inglês e obtenha informação de como iniciar o processo de candidatura em: studyinnorway.no.

Segundo o Top Universities, as melhores universidades da Noruega são:

  1. University of Oslo (posição 135 no mundo)
  2. University of Bergen (posição 171 no mundo )
  3. Norwegian University of Science and Technology ( posição 363 no mundo)
  4. University of Tromsø – The Arctic University of Norway ( posição 369 no mundo). 

E investir tanto assim em educação faz diferença?

Analise os dados abaixo e veja por você mesmo:

Criminalidade zero (Globo Reporter)

4,2% de desemprego (IndexMundi)

E mais:

Fonte: Exame

Compartilhe em suas redes sociais:

RSS
E-mail
Twitter
Visit Us
Follow Me
YouTube
YouTube
LinkedIn
Share
Instagram

Sobre o autor:

Raphael Lima

Raphael Lima

Raphael Lima foi o responsável pela criação do Instituto Kailua (IK). Seu espírito empreendedor deu vida a um projeto idealizado em 2014 e finalmente colocado em prática em 2017.

Rapha também atua como professor de inglês (CELTA - Cambridge), coach de carreira (SLAC - Sociedade Latino Americana de Coaching) e mentor de negócios pelo próprio IK e também como assessor de imprensa de uma Missão Diplomática no Rio de Janeiro.

0 0 vote
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments